VANCOUVER - Parte 1

"Cause nothin' lasts forever

And we both know hearts can change

And it's hard to hold a candle

In the cold November rain”

November Rain, Guns N'Roses.

Ano passado, (em 2017, ai meu Jesus) o meu bichinho da viagem tava atacado. Andei passeando por aí, e em uma das viagens fui pela segunda vez à Vancouver, para passear e principalmente visitar minha irmã caçula.

Passei uns 20 dias lá. Vancouver é uma cidade que transpira coisas descoladas e passear por lá é muito inspirador. Fui em novembro quando já estava ficando frio e escurecendo bem cedo.

Quando paro para pensar em Vancouver, o cenário é um misto de Nova York com Rio de Janeiro com São Paulo. Não sei explicar muito bem. É cosmopolita na medida certa, mas não é tão grande. Dá para se deslocar a pé e é bem turística e descolada.

Mas tem um negócio:

COMO CHOVE!

Foi lá que eu entendi o real sentido da música November Rain.

Pelo amor de Deus. Não estamos tão acostumados a fazer turismo em cidades chuvosas, então no começo eu ficava: “Vamos esperar a chuva passar pra sair”. Mas no final eu já tinha virado uma criatura anfíbia, e os pingos de chuva na roupa já faziam parte do look do dia.

Fazer turismo no frio é um negócio engraçado. Rola todo um check antes de sair:

Meias? Check.

Guarda-chuva? Check.

Casaco de boneco da Michelin impermeável? Check.

Cachecol e luvas extras? Check.

Gorro e protetor labial? Ai droga, esqueci, peraí que vou voltar.

Creminho para as mãos? Não, nossa, que desnecessário!

Daí no meio do passeio, depois de lavar a mão naquelas torneiras de água quente que deixam sua mão rachando, você não acha tão desnecessário assim rs.

Mas vamos ao que interessa: comida! Comi bastante enquanto estava em Vancity, e alguns lugares que queria dividir com vocês. Eu sou do tipo de turista que não me importo tanto com restaurantes estrelados, eu quero comer o que o local típico come. Minha irmã falou que se você está no Canadá, tem que comer Poutine, tomar café no Tim Hortons. Eu fiz muitas coisas dessa lista! Vejam abaixo:

JAPADOG

 Fachada sem frescuras do Japadog.

Fachada sem frescuras do Japadog.

Se você digitar no Google o que comer em Vancouver, muito provavelmente vai aparecer “Japadog”. O Japadog está para Vancouver assim como o Shake Shack está para Nova York.

É uma lanchonete sem muitas frescuras, bem pequena, com uma meia dúzia de mesas e cardápio na parede atrás do balcão.

O carro-chefe da casa é – adivinhem – o hot dog. Eu, chegada numa porcaria que sou, fiquei sonhando alguns dias até conseguirmos ir nesse lugar.

E posso dizer? Atendeu a todas as minhas expectativas. Tanto que uma vez não foi suficiente e tive que voltar lá para experimentar mais um pouco.

O primeiro combo que pedi foi o tradicional: com maionese japonesa e nori fatiado em cima. Mas não é só a cobertura que deixa o lanche diferente. O pão tem um quê de massa de esfiha e a salsicha é tipo uma linguiça Guanabara defumada. É muito bom. Não é um cachorro-quente qualquer.

 Esse fundo vermelho deixa tudo mais dramático, né?

Esse fundo vermelho deixa tudo mais dramático, né?

Pedi também uma shake fries. Tem vários sabores, mas pedi a temperada com manteiga e shoyu. O negócio é mortal! Mas muito bom.

Na segunda vez pedi com avocado. Sou doida por palta, desde que criei o hábito de comer com comida salgada no Chile. Recomendo também.

Deu vontade de comer de novo! :)

Eu fui no lugar onde foi o primeiro restaurante, e fica na rua mais legal de Vancouver: Robson Street.

JAPADOG: 530 Robson St, Vancouver BC

 Japadog de avocado. Uma combinação perfeita! Amo.

Japadog de avocado. Uma combinação perfeita! Amo.

STRAIGHT OUTTA BROOKLIN

Na mesma rua do Japadog, tem uma pizzaria ótima que minha irmã garimpou: Straight Outta Brooklyn.

 Não é Brooklyn não, é Vancouver!

Não é Brooklyn não, é Vancouver!

Tem um tipo de pizza que nós do Brasil estamos “descobrindo” agora, que é muito típica dos EUA e do Canadá: a feita em forno elétrico. Normalmente ela é fininha, não tão recheada, servida em fatias enormes que você come com a mão. Em SP, tô pra ir na Braz Elletrika que parece que serve pizza desse tipo.

A primeira vez que comi uma pizza dessas foi em Boston, num lugar que dizem que era o preferido do Mark Zuckemberg. Essa é uma comida típica de volta de balada, quando você não quer mais nada além de muita massa e algo bem porcaria para comer com as mãos.

 Dispensa apresentações!

Dispensa apresentações!

No entanto, a pizza do Straight Outta Brooklyn nada tem de porcaria. Ingredientes ótimos, proporção perfeita. Foi um belo de almoço feliz. (sim! Pizza no almoço :D)

STRAIGHT OUTTA BROOKLYN: 350 Robson St, Vancouver BC

POUTINE

A cara de um estrangeiro faz quando ouve falar de poutine é a mesma que um gringo faz quando ouve falar de farofa. E a reação do local é a mesma nas duas situações: “Espera só! Quando você experimentar...!”

É aquela coisa, difícil de explicar e você só vai entender comendo. Poutine é batata frita, coberta com o molho que eles usam para temperar o Peru de Ação de Graças, que se chama gravy. Para arrematar, eles colocam uns pedaços de um queijo que é um misto de queijo mussarela com queijo branco.

 Com vocês: Poutine!

Com vocês: Poutine!

Vira uma maçaroca com várias texturas, uma porcaria boa de comer – de preferência com cerveja! Tem vários lugares especializados em servir poutine, e eu comi esse da foto num que chama NYC Fries (vai entender), que tinha em vários shoppings. Óbvio que já existem várias versões, com bacon, com queijo, com porco desfiado, mas esse da foto é a versão tradicional.

No Canadá, faça como os canadenses!

Em breve, posto uma parte 2 com outros lugares que curti quando estava em BC.

Beijos!