Viajar sozinha

"Chuva e sol
Poeira e carvão
Longe de casa
Sigo o roteiro
Mais uma estação
E a alegria no coração"

Luiz Gonzaga, A Vida do Viajante.

Acabo de voltar de uma viagem de um mês por aí afora. Visitei Londres, Vancouver e Orlando. Apesar de ter me juntado a pessoas nas cidades que visitei, a primeira parte da viagem foi completamente sozinha e algumas das outras também.

Quando digo que vou sozinha, a surpresa é geral:

“Sozinha?”

“Vai com quem? SOZINHA?”

“Mas sozinha?”

“Que coragem! Sozinha?”

“É louca? Sem ninguém?”

Sim, sozinha! Respondo. Tá tudo bem, gente. Não, não tenho depressão. Não é que ninguém quis ir comigo. Apenas estou com a agenda livre, comprei a passagem e fui. Até chamo algumas pessoas para ir comigo, mas se não dá, o plano continua de pé.

Viajar sozinha é uma delícia, gente. Para a mulherada que é mãe, esposa, filha, trabalhadora então, é uma benção divina. Me digam mães, qual foi a última vez que comeram o que queriam (ou não comeram), a hora que queriam, do jeito que queriam?

Quando você está sozinha, você se reconecta consigo mesma. Relembra do que gosta, do que te inspira, resolve questões que estão lá há bastante tempo fermentando no fundo da consciência.

Pro bem e pro mal, viajar sozinha pode trazer epifanias, resoluções, e de bônus, trazer descobertas de lugares interessantes. Trazer paixões em forma de cidades.

E olha que sou uma viajante novata. Nem viajei tanto ainda e já descobri tudo isso.

A primeira vez eu viajei sozinha foi de ônibus, da minha cidade do interior para São Paulo. Eu lembro até hoje dessa viagem. Eu estava há muito tempo entediada. Queria ir para a Bienal do Livro em São Paulo, mas ninguém da minha sala da escola queria ir comigo. A visita só seria viável se eu fosse com a escola, pois ir com meus pais deixaria a logística impossível.

Não deu.

Fiquei possessa. Fiquei tão indignada que meus pais tentaram arranjar uma visita a São Paulo, porque notaram que eu estava muito entediada mesmo e merecia sair daquela cidadezinha por um fim de semana que fosse. Ligaram para os meus avós, que moravam perto de São Paulo:

“Aceitam sua neta por um fim de semana? Sim? Ótimo. Estamos colocando ela no ônibus e vocês pegam ela no meio da Castelo Branco.”

E foi assim. A estadia em si foi totalmente assistida pelos meus avós. Mas foi a primeira vez que fiz uma viagem maior sozinha. Eu só tinha que descer no lugar certo da estrada, e mesmo assim, aquela foi uma experiência divisora de águas. E quando a gente é mais novo, a gente fica fissurado com cada coisa né? O ônibus em questão parava no Rodoserv (quem pega a rodovia Castelo Branco sabe de que posto estou falando). E na época, o Rodoserv servia salgados, pastéis fritos na hora e sanduíches lindos super recheados feitos em baguette. E como todo posto de estrada, era caro. Meu sonho era comer um sanduíche daqueles, mas eu não queria gastar minha mesada numa refeição super faturada. E depois dessa viagem e por algum tempo, sinônimo de sucesso na profissão seria quando eu pudesse comprar quantos sanduíches de baguette do Rodoserv que quisesse, hahahaha.

Bom, hoje posso dizer que devo ter comprado alguns daqueles sanduíches, embora o Rodoserv não seja mais o mesmo posto e eles não sirvam mais esses sanduíches por lá.

Memórias à parte, toda pessoa que se surpreende com o fato de eu estar viajando sozinha, eu encorajo para que ela faça o mesmo.

Viajar sozinho pode ser assustador por diversos motivos: talvez você nunca tenha pego um voo internacional sem ninguém, talvez você não saiba falar a língua do país de destino ou simplesmente você não tem o costume de fazer coisas sozinho.

Hoje posso dizer com alívio que o mundo está se tornando um lugar preparado para receber viajantes solo. Mas tenho algumas dicas que me ajudaram a driblar o nervosismo:

1)     Investir em um chip de internet quando chega no local: essa dica eu considero ainda mais importante do que planejar a viagem antes de chegar ao destino. Internet dá segurança e ter uma linha local faz com que você se sinta seguro. Se der algo errado, você liga para alguém. Pelo celular você encontra caminhos, vê avaliações de lugares, fala com familiares, sobe vídeos no Instagram, chama táxi, pede dicas a conhecidos e estranhos. Não tem coisa que mais me dê segurança do que saber que se eu me machucar, posso chamar o seguro saúde na hora. Tem quem diga que é caro, ou que é excesso de cuidado. Mas não posso nem dizer o número de vezes que me senti extremamente aliviada por ter pacotes de dados no meu celular, e não é só pelo fato de poder me conectar às redes sociais. Normalmente esse chips são vendidos no aeroporto logo depois do desembarque.

2)     Se hospedar em um bairro familiar e seguro. Hostel, AirBnb ou hotel, você escolhe como gosta de ficar. Mas, como viajante, prefiro ficar em um lugar seguro e economizar nos almoços do que ao contrário. Pode parecer uma dica óbvia, mas vejo mais gente se atentando ao fato do hotel ser luxuoso do que se os arredores são seguros. Eu sempre escolho um bairro mais familiar do que boêmio, e sempre perto de um metrô ou transporte público. Isso dá independência e auto-confiança para andar sozinha. É só fazer uma pesquisa no Google antes de reservar sua acomodação.

3)     Dar preferência a um certo tipo de cidade. Como eu disse acima, ainda estou no começo das minhas andanças alone. Por isso, me adaptei muito bem a um certo estilo de cidade: plana para eu andar bastante sem me cansar, com metrô acessível e com muitas opções culturais tipo museu, e muitos parques. Por exemplo: Nova York para mim é a melhor cidade para visitar sozinha. Já Orlando, eu não recomendo. Eu adoro visitar Orlando, mas lá é o tipo de cidade que você só se desloca se for de carro, tem parques de diversão, as refeições são em super size. Eu adoro contemplar um quadro sozinha, mas ir em um parque de diversões e não ter ninguém para compartilhar as risadas é uma tarefa hardcore para iniciantes. Até o mais descolado dos viajantes solo pode ficar meio deprê ao viajar sozinho para uma cidade tão familiar. Fuja.

4)     Google Maps será seu melhor amigo antes e durante a viagem: antes de reservar o hotel, de uma olhadinha na versão 3D do Google Maps para ver se a rua é bonita, e se hotel tem a mesma fachada do que a foto de divulgação. Eu já desisti de ficar em diversos hotéis porque no Google ele tira uma cara bem creepy e porque a rua era muito deserta. Excesso de segurança nunca fez mal a ninguém.

5)     Faça um roteiro, mas não muito rígido: a vantagem de você viajar sozinha é poder fazer o que te der na telha. O que eu faço são: dentre os meus interesses, pesquiso com antecedência o que eu quero fazer. Por exemplo, se eu quero assistir uma ópera, vejo se é temporada ou não, e se for o caso, já compro ingressos com antecedência. Ou se quero fazer uma viagem de trem, às vezes esse trem só parte às segundas-feiras. Esse tipo de coisa. Também costumo planejar meus dias de acordo com bairros. Se estou em Nova York, posso fazer segunda-feira Midtown. Terça-feira, Brooklyn e por aí vai.

E você, já se aventurou sozinho por aí? Quais são os lugares que você mais gosta de ver sozinho?

Beijos,

A única desvantagem de viajar sozinha, é que se você odeia selfie como eu, suas fotos vão ser sempre assim! Sem você, rs. London Eye, na minha viagem mês passado para Londres. Foto: Mandolina Blog.

A única desvantagem de viajar sozinha, é que se você odeia selfie como eu, suas fotos vão ser sempre assim! Sem você, rs. London Eye, na minha viagem mês passado para Londres. Foto: Mandolina Blog.